Notícias

Petrobras apresenta Dançando Para Não Dançar em: Carmina Burana

A Petrobras apresenta o Dançando Para Não Dançar em Carmina Burana, dias 6 (segunda-feira) e 7 (terça-feira) de dezembro, às 18h, no Teatro João Caetano, com entrada Franca. Com música de Carl Orff, o balé foi adaptado pelo coreógrafo alemão Lars Scheibner para o espetáculo de fim do ano do Projeto.

 

Essa versão de Carmina Burana inverte a lógica do balé clássico. São as crianças de graus menores na grade curricular da dança e não as solistas e primeiras bailarinas que segurarão todo o espetáculo.

 

Cerca de 500 pequenos e jovens bailarinos, atendidos pelo projeto social homônimo, se revezam no palco. As apresentações contam com a participação especial da cantora lírica Doriana Mendes.

 

Na direção geral, Thereza Aguilar – coordenadora e idealizadora do projeto – e Paulo Rodrigues, professor e primeiro bailarino do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

 

Carmina Burana, segundo Scheibner, é uma música virada à celebração da vida. É um ciclo de 24 sonorizados textos da idade media e emoldurada por um símbolo da Antiguidade — a roda da fortuna, eternamente girando, trazendo alternadamente boa e má sorte. Trata-se de temas universais da existência humana – o destino conversível, a eterna renascença da vida na primavera, o fértil trabalho nos campos, as sensuais celebrações nas tavernas e no tribunal do amor.

 

Na adaptação para as crianças do Dançando, neste espetáculo de fim de ano, a roda da fortuna tem até um pandeiro. “Minha experiência como coreógrafo me mostra que especialmente crianças reagem um jeito inacreditável, sincero e cheio de fantasia. Quando elas encontram com essa música parece que a eletricidade percorre em seus pequenos corpos em uma forma irresistível de contar sobre a própria vida”, explica o coreógrafo.

 

O Dançando Para Não Dançar é patrocinado pela Petrobras e tem como parceiros o Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, a Vídeo Filmes, o Governo do Estado do Rio de Janeiro – Secretaria de Cultura, a Faperj e os programas Mais Cultura; Ponto de Cultura e Cultura Viva.

 

Tem parcerias com os apoios das Associações de Moradores das comunidades beneficiadas, da Vila Olímpica da Mangueira, do Instituto de Cidadania da Unidos da Tijuca, dos Cieps Ayrton Senna, Salvador Allende e João Goulart, do Teatro Leblon, do Teatro das Artes, da UniverCidade, do curso de inglês Brasas, do curso de alemão Baukurs, do Instituto Master de Cultura e do Centro Calouste Gulbenkian, além de convênios mantidos com a Staatliche Ballettschule Berlin e o Balé Nacional de Cuba.

 

Serviço

Dias: 6 e 7 de dezembro

Horário: 18h

Local: Teatro João Caetano

Lotação: 1240

Entrada Franca

Endereço: Praça Tiradentes S/N. Centro – Rio de Janeiro (0xx)21 2221-1223

 

Ficha Técnica

Música de Carl Orff

Coreografia de Lars Scheibner

Ensaiadora: Barbara Melo (Solista do Teatro de Dortmund)

Ensaiadoras assistentes: Mayara Alves, Natália Lopes, Raissa Gregório, Samara Pereira, Fernanda Duarte e Vanessa Duarte.

Cantora: Doriana Mendes

Produção e Direção Geral: Thereza Aguilar e Paulo Rodrigues

Projeto Gráfico: Nani e Leandro Monteiro

Sede do Dançando Para Não Dançar: Rua Frei Caneca, 139 – Centro

Telefone: 7876-5384 – 10*1637

 

Assessoria de Imprensa:

. Fernanda Santos – (21)91034010 – santosfernanda@uol.com.br

. Tânia Aguilar – (21) 7876-5384 ou 10*1637; taniaimprensa@gmail.com

 

Mais informação

 

O projeto – O Dançando Para Não Dançar foi criado em 1995 e é patrocinado pelo programa social da Petrobras, desde 2000. Utiliza o perfil lúdico do balé clássico como instrumento de inclusão social e de cidadania ao proporcionar acesso à formação em uma profissão que dificilmente jovens carentes ingressariam.

 

Os alvos principais são a profissionalização de jovens, o incentivo à participação cultural, o combate à exclusão social, contribuindo, assim, para a diminuição da violência e da vulnerabilidade sócio-econômica.

 

Além das aulas de dança, inclui suporte sócio-educativo, com aulas de informática e reforço escolar; assistência médica e dentário e acompanhamento com assistente social, psicólogo e fonoaudióloga, inclusive para os familiares.

 

Atualmente, o projeto atende a cerca de 1000 crianças e jovens, de 7 a 19 anos, dos morros da Rocinha, Mangueira, Cantagalo, Pavão-Pavãozinho, Chapéu Mangueira, Babilônia, Macacos, Tuíuti, Jacarezinho, Salgueiro, Dona Marta e em Oswaldo Cruz.

 

Especialização – O Dançando já encaminhou mais de oito alunos das comunidades para cursos de especialização de balé clássico no exterior – na Staatliche Ballettschule Berlin, na Alemanha, e no Balé Nacional de Cuba.

 

No Brasil, alunos se especializam em companhias como o Ballet Stagium, Cia Deborah Colker e Grupo Corpo. Cerca de 100 alunos já passaram na disputada audição da escola de dança do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, nos últimos anos.

 

Carmina Burana – a história

 

O compositor alemão Carl Orff musicou alguns trechos de Carmina Burana, compondo uma cantata homônima, com o subtítulo “Cantiones profanae cantoribus et choris cantandae”. A obra, por suas características, pode ser definida também como uma “cantata cênica”. Estreou em junho de 1937, em Frankfurt e faz parte da trilogia “Trionfi” que Orff compôs em diferentes períodos, e que compreende os “Catulli carmina” (1943) e o “Trionfo di Afrodite” (1952).

Deixe uma resposta