Notícias

Balé na Laje

Domingo (4 de julho), às 15h, teremos festa na laje. Não é churrasco, nem pagode, nem baile funk. É balé. O Dançando Para Não Dançar e a Petrobras vão apresentar Favela, com músicas de MV Bill e do maestro Leandro Braga, além de trechos de balé clássico, na Laje do Cantagalo. A madrinha do projeto Ana Botafogo já confirmou presença e subirá o morro para prestigiar o evento.

 

Favela é a mais recente coreografia montada para a companhia de dança oriunda dos morros cariocas. Um hip hop diferente, uma mistura dessa linguagem musical com concepções clássicas e contemporâneas da dança. Expressa a realidade, os sons e os movimentos das comunidades onde o projeto atua. O público poderá assistir também ao pas de deux do balé “Corsário”, que tem como convidado o bailarino Carlos Cabral, solista do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

 

O cenário será pintado por grafiteiros ligados a Rede MUF – Museu de Favela. Moradores do Cantagalo, assim como todos que conhecem ou têm curiosidade de conhecer o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo projeto Dançando Para Não Dançar, poderão assistir ao espetáculo gratuitamente.

 

A direção geral e a artística são assinadas pela coordenadora do projeto, bailarina Thereza Aguilar, e por Paulo Rodrigues, primeiro bailarino do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A direção musical é do maestro Leandro Braga.

 

Saiba mais:

 

Dançando – O Dançando Para Não Dançar utiliza o perfil lúdico do balé clássico como instrumento de inclusão social e de cidadania. Os principais alvos são a profissionalização de jovens, o incentivo à participação cultural e o combate à exclusão social, ao proporcionar acesso à formação em uma profissão que dificilmente jovens carentes ingressariam. Hoje atua em 15 comunidades, além da escola de dança no centro da cidade, e atende cerca de 1000 crianças e jovens.

 

Companhia – Mesmo antes da oficialização da Companhia, em 2007, os bailarinos já se apresentavam há três anos em palcos montados em praças, praias, parques, feiras populares, comunidades, estações de trem (Central do Brasil) e metrô. Além das apresentações a convite de instituições, públicas e privadas, como escolas, universidades e até mesmo em presídios. Apresentaram-se também em diferentes teatros, inclusive no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Também se apresentaram no Palácio do Planalto, quando o projeto recebeu o Prêmio “Objetivos do Milênio”, em 2005.

 

Parcerias – O Dançando Para Não Dançar é patrocinado pela Petrobras desde 1997 e tem como parceiros o Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, a Vídeo Filmes, o Governo do Estado do Rio de Janeiro – Secretaria de Cultura, Faperj e Programas Mais Cultura, Ponto de Cultura e Cultura Viva. Também tem parcerias com os apoios das Associações de Moradores das comunidades beneficiadas, da Vila Olímpica da Mangueira, dos Cieps Ayrton Senna, Salvador Allende e João Goulart, do Teatro Leblon, do Teatro das Artes, da UniverCidade, do curso de inglês Brasas, do curso de alemão Baukurs, do Instituto Master de Cultura e do Centro Calouste Gulbenkian, além de convênios mantidos com a Staatliche Ballettschule Berlin e Balé Nacional de Cuba.

 

Rede MUF é um dos núcleos do Museu de Favela – MUF, que tem por objetivo reunir e organizar em uma rede de negócios moradores do Complexo Pavão-Pavãozinho e Cantagalo que, sozinhos, em grupos ou entidades, produzam ou confeccionem trabalhos de arte, artesanato e culinária – ou possuam estabelecimentos de comércio e/ou serviços.

 

Imprensa:

Fernanda Santos – (21) 9103-4010 – santos.fernanda@uol.com.br

Deborah Dumar – (21) 3970-4801 / 9689-9722 – dumar.deborah@gmail.com

Tânia Aguilar – (21) 7876-5384 / 10*1637 (rádio) / (61) 9297-9749 – taniaimprensa@gmail.com

 

Serviço

Dançando Para Não Dançar apresenta Favela

Dia: 4/7/10 (domingo)

Horário: 15h

Local: Morro do Cantagalo – Praça Frei Nereu – Estrada do Cantagalo – Copacabana

Duração: 1 hora

Ingressos: Grátis

Capacidade: 1.200 lugares

Censura: livre

Deixe uma resposta